Introvertidos num Mundo Extrovertido

Precisamos conversar sobre introvertidos nesse mundo tão extrovertido. Eles possuem uma reflexão silenciosa e ponderada que é frequentemente confundida com timidez ou desinteresse. Certo ou errado, identificando-se como um "introvertido" muitas vezes parece um entalhe acima de "eremita" ou "esquisito". É por isso que é um rótulo que muitos de nós relutamos em aceitar.


“Vanessa você precisa ser mais purpurina e menos cenoura.”


Mulher Introvertida

Ouvi essa frase há poucos anos numa reunião de feedback de desempenho, no qual minha gestora, que era Diretora de RH, afirmou que eu fazia tudo com qualidade e excelência, mas que deveria me mostrar mais e fazer marketing de mim. Claro que ela achava que estava me ajudando, mas esqueceu de considerar meu perfil psicológico. Eu jamais serei uma “purpurina”.

Na infância eu era aquela criança que, ao chegar num lugar com muitas pessoas, abraçava as pernas da minha mãe na tentativa de me esconder e ouvia “Deixa de ser boba menina e vá brincar!”.


No colégio, quando tinha chamada oral, eu ficava rezando para que meu nome não fosse escolhido. Não porque eu não sabia, porque normalmente eu sabia a resposta, mas porque eu não queria que toda a sala olhasse para mim.


Uma vez estava na segunda série (padrão antigo) e tinha 8 anos, meus pais sempre me colocaram para estudar no período matutino, e eu estava com muito sono, então bocejei... A professora me deu uma bronca em alto e bom som dizendo o quanto eu era mal-educada e a sala inteira olhou para mim e alguns risinhos saíram. Até pouco tempo eu não bocejava em público até que lembrei desse fato.


criança introvertida

Por outro lado, eu era uma criança curiosa, estudiosa, que amava a aula de educação artística e não dava qualquer trabalho, mas vivia em meu próprio mundo. Estudei num colégio que tinha um enorme ateliê de artes, com várias mesas. A professora decidiu nos ensinar a fazer papel marche. Quem já fez sabe que é necessário baldes, papel, água e muita meleca. Nem precisa dizer que juntar 50 crianças de 12 anos e com muita energia acabaria resultando em problemas...


Foi uma enorme guerra de papel molhado. Tinha papel grudado até no teto. A turma inteira foi suspensa, menos eu, que estava num nível tão alto de introspecção fazendo um trabalho que gostava, que continuei fazendo minha escultura, enquanto as pelotas de papel voavam e a professora gritava descontroladamente.

Meus pais se preocupavam, afinal como aquela menina introspectiva se tornaria adulta e conseguiria um trabalho. No colegial eu era a pessoa que fazia os trabalhos e já que tinha feito, então alguém tinha que apresentar. Normalmente quem apresentava ganhava ponto extra pela apresentação. Ou seja, eu fazia todo o trabalho sozinha e ainda recebia menos pontuação. Comecei a achar que aquilo não era justo e comecei a me esforçar para desenvolver a habilidade de apresentar na frente de inúmeras pessoas.

Mas foi na faculdade a virada de jogo! E não foram as aulas nem os professores. Já disse que sou curiosa, né? Bom, quando entrei na faculdade um pessoal passou nas salas para contar sobre o trabalho deles numa tal de empresa júnior e, obviamente, assim que a aula terminou fui lá me inscrever. Por 2,5 anos participei dos projetos da empresa júnior que era voltado fortemente a projetos do terceiro setor.

“Dê o primeiro passo com fé. Você não precisa ver a escada inteira, basta dar o primeiro passo.” – Dr. Martin Luther King Jr.

Introvertidos num mundo Extrovertido

Participamos de um projeto internacional chamado SIFE® (“Students in Free Enterprise), que é uma organização não governamental e trabalha com estudantes universitários que desejam mudar suas comunidades positivamente e desenvolver conhecimentos práticos para se tornarem líderes de negócios socialmente responsáveis. Os alunos formam equipes em seus campi e usam o modelo de negócios para melhorar a qualidade de vida e o padrão de vida das pessoas necessitadas.

Coisa linda né? Só tinha um problema, eu era da equipe que apresentaria nossos projetos para um público com mais de mil empresários, que avaliariam nossos trabalhos e as faculdades vencedoras iriam para os EUA apresentar no campeonato mundial.

Durante um mês treinamos todas as noites e virávamos a madrugada ensaiando. Treinávamos posição corporal, tonalidade de voz, pausas, expressões faciais e todo conjunto necessário para fazermos uma apresentação que impressionasse e garantisse nossa vaga para o campeonato mundial. Funcionou! Entre mais de 20 faculdades conquistamos o segundo lugar por uma diferença mínima de pontuação e garantimos nossa ida ao campeonato mundial.

Por qual motivo estou contando essa história?


Introvertidos num mundo Extrovertido

Para dizer que INTROVERSÃO é uma característica psicológica inata e o introvertido sempre será introvertido, pois é a forma como seu cérebro funciona, como processo informações e recupera sua energia quando está cansado. Porém, introversão não é sinônimo de timidez. Um tímido é um introvertido com as habilidades de comunicação e interação social pouco desenvolvidas, mas com enorme potencial.

Um introvertido quando tem domínio de um tema, normalmente, triunfa na conversa, quando está entre pessoas conhecidas, e é assertivo e convincente em sua argumentação. Imagina utilizar esse potencial também para se comunicar com um público grande? É totalmente possível e, inclusive, com as habilidades e competências bem desenvolvidas são excelentes líderes e conseguem construir verdadeiros impérios e deixar seu legado.

Introvertidos simplesmente tendem a ser mais cautelosos e sensíveis, preferindo um ambiente de estímulo mínimo a um ambiente cheio de caos. Como resultado, são melhores ouvintes, o que geralmente os torna melhores líderes. Um estudo conduzido pela Wharton University descobriu que líderes introvertidos tiveram melhores resultados do que extrovertidos ao gerenciar funcionários, em parte porque incentivam as idéias de outras pessoas.


Introvertidos num mundo Extrovertido

Sugestão de Leitura: O Poder dos Quietos de Susan Cain

Os introvertidos gostam de reunir informações e internalizar seus pensamentos antes de falar, que se deve as suas vias cerebrais dominantes e permitem que se concentrem e pensem nas coisas por um tempo, de modo que suas idéias geralmente são mais elaboradas, assim suas recomendações tendem a ser mais completas, bem pensadas e, muitas vezes, mais estratégicas do que as de seus colegas carismáticos e falantes.

Abaixo algumas vantagens de comunicação dos Introvertidos:

  • É um ótimo ouvinte;

  • É observador;

  • Compartilha ideias e discute antes de expor;

  • É mais paciente e resiliente.


Algumas personalidades famosas que são Introvertidos:


Famosos Introvertidos
Famosos Introvertidos

Leia Mais: O que é MBTI e como ele pode Mudar sua Vida

Conquistas

Não importa se você é introvertido ou extrovertido, adivinhe o que contribui para uma troca de comunicação bem-sucedida? Preparação. É a chave para conseguir um desempenho importante. Reconheça seus pontos fortes e fracos, e então vá em frente!


“Se nós fiz