7 Dicas de Networking para Introvertidos

Uma confissão: sou introvertida, o que significa que praticar networking sempre foi algo desconfortável. E poderia não fazer networking sem qualquer problema, se eu vivesse isolada numa caverna no meio do nada com zero contato com o mundo. Porém isso está longe de ser a realidade da maioria das pessoas [espero!] e se relacionar ajuda nos negócios e é saudável.

Após uma carreira longa em Recursos Humanos e Gestão, comecei a trabalhar de forma autônoma há pouco mais de 3 anos. A vida corporativa tinha se tornado um fardo para mim. Eu sabia que para ter o mínimo de sucesso nessa jornada precisa fazer marketing, me expor e me relacionar com pessoas que mal conhecia. Tudo que eu temia profundamente!

Apesar de ter atendido a área de Marketing e Vendas como Business Partner por anos, eu sempre preferi me manter nos bastidores. Havia esse “pequeno” problema. Como uma introvertida que ama nada trabalhar em casa em completo silêncio (com apenas dois gatos de companhia), sou o oposto de um networker natural. Encontro e conversas casuais com pessoas que desconhecidas me pareciam sem sentido. Não gosto de ir até estranhos apenas para perguntar o que eles fazem, porque parece cínico e falso.

Além disso, tenho receio de conversar com pessoas que ainda não avaliei e validei se são confiáveis ou não. Outra característica típica de introvertidos que gostam de preservar usa “segurança”. Também me achava péssima em vender meu trabalho e não queria parecer arrogante. Claro que tinha um pouco de Síndrome do Impostor nesse processo, que é comum em grupos que são minorias na sociedade e mal compreendidos, então foi necessário superar esse bloqueio.

Como você pode imaginar, essas características não são particularmente úteis quando o objetivo é convencer outras pessoas a gastar seu dinheiro suado com seus conhecimentos e serviços. Por um tempo, eu confiava em métodos aleatórios de marketing que envolviam fazer milhares de cursos de ”gurus” das redes sociais, que só falavam mais do mesmo e que eu poderia ter aprendido muito mais lendo livros, que acabou sendo o que fiz.


Inevitavelmente, percebi que meu plano de marketing impessoal não me levaria longe e, se quisesse sobreviver no mundo dos negócios, teria que sair e conhecer novas pessoas pessoalmente, quer gostasse ou não.


A grande notícia é que eu sobrevivi, aprendi e sucedi. Isso aconteceu, principalmente, porque fiz alguns "ajustes" que funcionaram muito bem para mim, como alguém cuja energia social drena com muita facilidade e me deixa irritadiça depois de um tempo.

Portanto, se você também enfrenta problemas para conhecer clientes em potencial, eu o entendo. Para ajudá-lo, aqui estão minhas dicas para se tornar um “introvertido-networker” eficaz ou um “introverker”.


"Somos julgados não apenas em função do quanto somos inteligentes ou de nosso treinamento e qualificação, mas também de como lidamos com nós mesmos e com os outros." - Daniel Goleman

1. Participe de grupos

Eu sei! Sugerir participar regularmente de encontros pode ser assustador para introvertidos.

No entanto, ingressar em um grupo que se reúne regularmente significa que você construirá relacionamentos mais próximos e amigáveis, que fazem com que introvertidos se sintam mais à vontade e sejam mais autênticos. Esse fator favorece com que o introvertido conquiste as pessoas.

Esses encontros aumentam o potencial para que as conversas evoluam para algo mais significativo do que apenas falar sobre o clima (introvertidos detestam “conversa fiada”). Isso naturalmente resultará em melhores negócios, porque, com o tempo, você entenderá as necessidades das pessoas com mais detalhes, para saber exatamente como pode ajudá-las. E, esperançosamente, as pessoas verão suas qualidades e podem te contratar ou indicar seu trabalho.

2. Descubra o que não funciona para você e não tenha vergonha de evitar

Com tantas oportunidades de networking disponíveis, pode ser tentador pensar que você precisa ir a todos os eventos, apenas por precaução. Mas se um grupo ou reunião de rede, em particular, fizer com que se sinta muito mal interiormente, pois agride seus valores e necessidades, faça um favor a si mesmo e não vá.

Vou dar um exemplo. Nessa minha jornada de aprender a praticar o networking, ganhei ingresso para participar de um evento muito famoso de um desses “gurus pica da galáxia” do marketing. O preço dos ingressos era uma fortuna! Eram 3 dias de evento. Fui até bem animada, porque estava muito disposta a me desenvolver.

Para começar o evento atrasou 2 horas para iniciar. Fato que considerei um enorme desrespeito. Quando o “guru” entrou no palco no melhor estilo Tony Robbins, debaixo de luzes, som alto, pessoas enlouquecidas gritando (tinham mais de 1,5 mil pessoas) e o cara quase fazendo uma aula de lambaeróbica (galera da antiga lembra), então ele começou a falar.

Ele disse “Serão 3 dias intensos! Não temos hora para comer e nem para terminar. Vamos virar a noite aqui!”. As pessoas uivavam! Continuou dizendo “Olhe para a pessoa ao seu lado e o abrace!”. Nesse momento eu só pensava que precisava sair correndo de lá! Uma das coisas mais desconfortáveis para um introvertido é abraçar um estranho.

Todo esse conjunto era afrontoso para mim. Obviamente não abracei o coleguinha do lado, peguei as minhas coisas e fui embora.

Eu mantenho as coisas simples. Participo de grupos pequenos e focados. Evito participar de encontros antes das 08h da manhã, porque não sou ninguém antes desse horário (turma do “milagre da manhã” que me desculpem, mas meu milagre funciona melhor a noite) e não participo de nenhum grupo que dê fórmulas “mágicas” ou que ferem meus valores. Essas situações não funcionam para mim, então eu as evito completamente. Descaradamente. Até agora tem funcionado e ainda estou no negócio.

3. Chegue cedo aos Eventos

Você está preocupado em ser ignorado? Seja o primeiro a chegar a um evento, para que a próxima pessoa que chegar venha conversar com você e não o inverso que seria desconfortável para você. (Ha!)


Se você não é o primeiro, vá direto ao ponto do café. Então seu primeiro bate-papo começará com uma frase triste sobre como está precisando de um café, especialmente se for uma reunião matinal. Lembre-se de que se trata de redes de negócios, onde a conversa fiada é suprema.


A partir daí poderá estabelecer uma proximidade maior e, se a pessoa for interessante, aprofundar a conversa. Às vezes, basta apenas sorrir e mergulhar sem medo.

4. Ouça ao invés de falar (com uma ressalva importante)


Ouvir é natural para a maioria dos introvertidos, então você pode dizer que esse é um conselho ridiculamente fácil. Mas se você é como eu, ouvir também pode ser muito desgastante e com o efeito de sair da sala sentindo-se mentalmente exausto e extremamente desapontado consigo mesmo.


Então, eu vou a todos os eventos de networking com o objetivo de ter duas conversas interessantes, antes do meu limite pessoal começar a sinalizar cansaço. Então saio educadamente e a “francesa”, mas com dois bons contatos.


Não me preocupo se as conversas que tive levarão ou não a estabelecer negócios imediatos e não me preocupo com todas as pessoas que não conheci. Posso encontrá-los outra vez.

5. Acompanhe as melhores pessoas por escrito

Se conhece muitas pessoas em eventos de networking, por isso é fácil as pessoas esquecerem de você depois (e você esquecê-las!). Mas, se eu me der bem com alguém em um evento, geralmente envio um e-mail de acompanhamento perguntando se gostariam de se encontrar para tomar um café mais tarde ou anexando algumas informações que acho que poderiam ser úteis para eles. É aí que toda esse processo realmente ganha destaque.

Fazer isso o ajudará a se tornar bom e memorável para o tipo certo de pessoas. Você não precisa ter milhares de curtidas e comentários em suas publicações, mas sim o das pessoas certas que apreciam seu trabalho e confiam em te contratar e recomendar.

6. Dê tempo

As redes de negócios são como frequentar a academia. Aliás, introvertidos não costumam curtir muito o ambiente academia e se tiver que “dividir” o aparelho então, dá vontade de sair correndo e não voltar mais (rs). No entanto, para obter resultados nem sempre fazemos só o que gostamos e nos agrada. Para que os exercícios de academia deem resultados é necessário trabalhar na construção e continuar fazendo um esforço para mantê-lo.